Problemática dos dejetos caninos

Saúde pública

Nos parques infantis e nos jardins, as crianças tornam-se os principais alvos dos dejetos caninos. Basta o simples contacto com a relva e areia conspurcadas pelo animal que aí defecou, e o ato de levarem as mãos à boca torna-se a porta de entrada para a ingestão de ovos de parasitas ou larvas, que aí permanecem ativos durante vários meses.

As fezes do cão albergam vírus, bactérias e parasitas extremamente perigosos para a saúde humana, sobretudo para as crianças. Os dejetos desses animais constituem veículos de várias doenças, tanto para os adultos como para as crianças, e em alguns casos poderão ser fatais.

 

Higiene urbana

Os cidadãos são sensíveis ao impacto visual e aos maus cheiros provocados pela deposição de dejetos caninos nas ruas e, principalmente nos jardins públicos. A sua presença em meio urbano gera insatisfação dos cidadãos, acabando por criar uma imagem negativa dos serviços responsáveis pela manutenção do espaço público, além de que os trabalhadores que mantêm estes espaços estão igualmente sujeitos a riscos biológicos relacionados com o contacto com esse material infetante.

 

Educação para a cidadania

Os cidadãos associam a resolução desta problemática à atuação exclusiva das Juntas de Freguesia, (através da limpeza dos espaços públicos, aplicação de coimas, etc.). No entanto, o grande desafio reside na capacidade de TODOS estarem envolvidos e sensibilizados para a resolução definitiva deste grave problema: com os donos dos animais não circularem com os seus animais nos parques e jardins públicos, a remover os dejetos que estes poderão eliminar, enquanto passeiam na via pública e, sobretudo, os restantes cidadãos a interpelá-los se presenciarem o incumprimento desta prática cívica. As tarefas de limpeza dos espaços públicos do concelho da Amadora estão descentralizadas nas Juntas de Freguesia, no âmbito do protocolo de delegação de competências celebrado entre a Câmara Municipal da Amadora e todas as Juntas de Freguesia do Concelho.